Tyler Wright e Ethan Ewing vencem o Tweed Coast Pro

Ethan Ewing e Tyler Wright. Foto divulgação WSL

Tyler Wright e Ethan Ewing pareciam destinados à vitória, cada um dominando o último dia do evento em ondas de dois a três pés em Cabarita Headland, no que tem sido o retorno do surf profissional ao mar para o primeiro evento desde março deste ano.

Publicidade

Na final, Tyler Wright  defrontou a sete vezes campeã mundial de surf Stephanie Gilmore. A dupla foi a melhor de todo o evento. Ambas as surfistas tiveram excelentes somatórios nos seus respectivos heats das quartas de final, os maiores do Tweed Coast Pro. Na final, porém, foi Wright quem prevaleceu com a sue poderoso surf, dominando Stephanie Gilmore com uma combinação de duas ondas de 15,67 (em 20 pontos possíveis).

“Surfar com a Stephanie foi muito bom”, disse Wright. “A Stephanie é um dos meus maiores ídolos e agora é uma amiga próxima. Durante este tempo de COVID, a Stephanie esteve lá para muitos de nós e tentamos surfar e treinar juntos todos os dias durante o que tem sido um momento difícil para todos. Este evento também significou muito para mim por poder defender a justiça social e a igualdade em solidariedade com o Black Lives Matter – foi uma grande oportunidade poder colocar o movimento na plataforma do surf e estou grata por isso. ”

A final masculina foi um vislumbre incrível do futuro do surf profissional com Ethan Ewing enfrentando o único competidor internacional no evento, o Rookie do Tour 2020 Matthew McGillivray.

Tendo viajado para a Austrália para competir nos eventos de abertura do Championship Tour antes de serem cancelados, o sul-africano Matthew McGillivray decidiu aguardar, caso os eventos fossem reiniciados. Eventualmente, não havia voos que o permitissem regressar a casa e ficou preso na Austrália, o que acabou por valer a pena, pois permitiu-lhe competir no Grand Slam of Surfing da Austrália. McGillivray aproveitou ao máximo a oportunidade, tendo chegado à final.

No entanto, foi Ethan Ewing quem dominou a final desde o início, pontuando numa onda uma nota quase perfeita e a mais alta do evento, um 9,77 (em 10 possíveis) numa exibição incrível de frontside hacks.

“Estou nas nuvens”, disse Ewing. “Foi um grande evento e tudo correu a meu favor durante a final. Durante todo o dia houve ondas muito boas que me permitiram pontuar notas altas. Matt McGillivray vinha surfando de forma fantástica, então eu sabia que precisava de uma grande pontuação na final. Estou muito feliz por a WSL ter conseguido organizar este evento para que todos voltássemos e competíssemos. É bom voltar a competir. ”

Sally Fitzgibbons foi eliminada por Tyler Wright no seu heat nas quartas de final. Embora Tyler Wright tivesse dominado o heat, Fitzgibbons realizou uma das mais incríveis manobras do evento, um tail-high air-reverse, um dos melhores vistos na competição.

Owen Wright e Julian Wilson, foram eliminados nas quartas de final por Ethan Ewing e pelo rookie do Tour 2020 Jack Robinson, mostrando que o futuro do surf australiano está em boas mãos.

Os young guns Molly Picklum, Isabella Nichols e Zahli Kelly tiveram uma exibição sólida em Cabarita, mas acabaram por perder nas quartas de final.

Todos os olhos agora estarão voltados para as previsões e para o Boost Mobile Pro Gold Coast, o Grand Slam of Surfing da Austrália continua nas próximas semanas.

Tyler Wright Foto:WSL / Matt Dunbar
Ethan Ewing. Foto WSL

Fonte/ Por surftotal.com