ASJ escolhe nova gestão

Cristiano Melo (a direita) comanda por mais 2 anos a ASJ, tendo como vice o local Érico Mergner. Foto:PP07

Uma das instituições mais tradicionais do país, a Associação de Surf da Joaquina realizou sua assembleia geral nesse último sábado (12 de dezembro), reunindo surfistas de diversas gerações da ASJ na sede oficial da entidade, na praia da Joaquina. Em pauta, a votação para escolher a nova diretoria da ASJ, e a prestação de contas da gestão vigente. O atual presidente Cristiano Melo foi escolhido por aclamação, e segue no comando do surf “Joaquineiro” nos próximos dois anos (2021/22), tendo como vice o surfista local Érico Mergner.

Este será o quarto mandato de Cristiano Melo a frente da ASJ, e o segundo consecutivo. Ele já havia presidido a entidade da costa leste da ilha nos anos de 2013/14, 2015/16 e retornou para o biênio de 2019/2020. “Estão todos de parabéns. A Joaquina merece esse carinho com o trabalho sério desenvolvido pelo Cristiano, dando sequência a história que começamos nos anos 80” declarou Ivan Althof, um dos fundadores da ASJ em 1987, e presidente da entidade em 2004/05.

Publicidade

O trabalho com as categorias de base e do surf adaptado e o desenvolvimento de uma estrutura física que poucas associações no país possuem, pautaram as gestões de Cristiano no comando da ASJ. “Vamos dar continuidade a nossa missão com honestidade, e muito amor pela associação. Nossa prioridade é oferecer uma estrutura melhor para os atletas e associados, além de seguir realizando eventos de alto nível” comentou o presidente.

Os resultados comprovam o sucesso do trabalho: a ASJ conquistou o título do Circuito Ilha Associações Local 2014, venceu por três vezes o tradicional Interassociações (evento que reúne todas as entidades e surf do estado) em 2015, 2018 e 2019, ficou com a terceira colocação em 2017 e o vice-campeonato em 2016. É a única associação a se manter entre as três melhores do estado nos últimos cinco anos.

Nesse período a Joaquina voltou a receber grandes eventos nacionais e internacionais, como a edição de 30 anos do Hang Loose Pro 2016, válido pelo Circuito Mundial Qualify Series (QS), além de sediar etapas profissionais da ABRASP (Associação Brasileira de Surf Profissional), FECASURF (Federação Catarinense de Surf) e a seletiva brasileira Pro-Junior da WSL.

Por João Lopes